Clube do Trem destaca a importância do Dia do Ferroviário

Data é comemorada em 30 de abril. Presidente da instituição fala sobre a influência do transporte no desenvolvimento de Nova Friburgo
sábado, 27 de abril de 2019
por Paula Valviesse (paula@avozdaserra.com.br)
Ordilei Costa, presidente do Clube do Trem (Fotos: Paula Valviesse)
Ordilei Costa, presidente do Clube do Trem (Fotos: Paula Valviesse)

Criado em 22 de agosto de 2017, o Clube do Trem de Nova Friburgo tem como objetivo resgatar a memória deste meio de transporte que tanto contribuiu para o desenvolvimento do Brasil. Especialmente para o município, essa história marca uma grande conquista para o sistema ferroviário não só do país, mas em todo o mundo: a construção de uma ferrovia que alcançou uma altitude grandiosa: 1.059 metros acima, pela Serra da Bela Vista. A informação, passada pelo presidente da instituição, Ordilei Alves da Costa, é só um dos inúmeros motivos para celebrar o Dia do Ferroviário, comemorado nesta terça-feira, 30.

“O trem foi um elemento impulsionador do desenvolvimento em todas as regiões do país. E aqui, o trem teve uma característica muito especial, porque a primeira ferrovia, a Barão de Mauá, inaugurada no dia 30 de abril de 1854, dia em que se festeja o Dia do Ferroviário, teve a participação, como sócio, do futuro Barão de Nova Friburgo, que na época ainda não tinha o título, era apenas Antônio Clemente Pinto”, conta Ordilei.

Segundo Ordilei, iniciado o sistema ferroviário nacional, o quarto trecho de ferrovia construído ligava Cachoeiras de Macacu ao Porto das Caixas, como era chamada a região de Itaboraí e permitiu um grande avanço no escoamento da produção de café.

“Só o Barão Antônio Clemente Pinto, na época, chegou a ter 17 fazendas, com mais de cinco milhões de pés de café. E essa produção descia para o Porto das Caixas, de onde era enviado, para exportação, na Baía de Guanabara, no lombo de burro. Esse percurso de Cantagalo até Itaboraí levava entre 14 e 16 dias. O trecho inicial de ferrovia compensava a parte baixa, mas o maior problema mesmo era descer a serra”, conta Ordilei.

Foi então que, seguindo os passos do pai, o segundo Barão de Nova Friburgo, organizou a construção da linha férrea ligando Cachoeiras a Nova Friburgo:

“O grande problema era descer a serra, então Bernardo Clemente Pinto, o segundo barão e que depois chegou a conde, construiu essa segunda parte, de Cachoeiras até Nova Friburgo, que foi inaugurada em 18 de dezembro de 1873. O espetacular foi fazer subir o trem até 1.059 metros, pela Serra da Bela Vista. Desta forma, essa foi uma das maiores construções da engenharia ferroviária da época, em todo o mundo”, revela.

Três anos após, a linha foi ampliada até Cantagalo, fazendo o percurso completo do escoamento do café. Só que mais do que auxiliar na produção, o meio de transporte também aumentou o fluxo de turistas em Nova Friburgo e região.

“Do ponto de vista do transporte do café, foi uma beleza, mas o trem passou a ser usado também para viagens de passageiros. A partir de 1873, o município passou a receber uma grande fluência de turistas, porque o Rio de Janeiro teve até o início da República aquele grande problema de febre amarela durante o verão. Então as famílias que tinham recursos vinham pra cá. Petrópolis era bem menor, mas isso fez crescer a região, porque as cidades serranas eram muito atrativas” conclui o presidente.

Clube busca sede para criar memorial

Com o objetivo de resgatar toda essa história, o Clube do Trem tenta agora conseguir uma sede. Segundo o presidente da instituição, esse é o primeiro passo para a criação de um memorial.

“Nós temos três metas a alcançar após conseguirmos a sede oficial: a construção do Memorial, com o acervo que já temos de fotos, peças e com a historiografia do trem, que ficará como exposição permanente; finalizar o trâmite para aquisição de novas peças que foi iniciado junto à Inventariança da extinta Rede Ferroviária Federal S.A.; e adquirir o equipamento para rodar o software que ganhamos, que permite uma viagem virtual de trem pelo município”, destaca Ordilei.

Nove premiados em concurso pelo Dia do Ferroviário

Pelo Dia do Ferroviário, o Clube do Trem realizou na última quinta-feira, 25, a cerimônia de premiação do concurso de desenho organizado em parceria com a Associação Friburguense de Letras (AFL) e as secretarias municipais de Educação e de Cultura.

O concurso, que tinha como objetivo expressar o conhecimento dos estudantes da rede municipal de ensino sobre o meio de transporte que faz parte da história de Nova Friburgo, reuniu mais de mil participantes. A premiação foi dividida em 1º, 2º e 3º lugares, concorrendo alunos do 1ª ao 5º ano, do 6º ao 9º e da Educação de Jovens e Adultos (EJA).

No final, nove desenhos foram selecionados pela comissão julgadora. Os vencedores ganharam mochilas, tablets, headphones e ainda terão os seus desenhos emoldurados para compor o acervo do Clube do Trem.

 

Foto da galeria
TAGS: Clube do Trem