Casos cariocas, segunda parte

sexta-feira, 13 de abril de 2012
por Jornal A Voz da Serra
Casos cariocas, segunda parte
Casos cariocas, segunda parte

Carlos Emerson Junior

— Motorista, este ônibus tem banheiro?

— Tem sim, minha senhora, fica lá no fundo…

— Tem que ter banheiro. Eu paguei a passagem e quero meus direitos, o banheiro e… cadê o ar-condicionado, não tem ar no ônibus? Eu paguei!

— O ar só pode ser ligado quando o carro sair da plataforma, dona, são ordens da prefeitura.

— É bom que seja isso mesmo, senão vou dar queixa na empresa. Isso é um absurdo. A gente já embarca tensa, tendo que reclamar de tudo.

— Tá certo e boa viagem, dona!

— E mais essa... Minha filha, quais são as poltronas?

- A dois e a quatro, mãe.

— Então por que esse sujeito está sentado no meu lugar? Sai daí seu enxerido.

— Opa, essa aqui é a poltrona um, minha senhora.

— Eu não estou falando? Minha filha, quer dizer que você comprou assentos separados e ainda por cima ao lado desse grosseirão?

— É mãe, comprei…

— Minha senhora, não seja por isso. Eu troco de lugar com sua filha e vocês duas ficam juntas.

- Ora, ora, o grosseirão até que é esclarecido. Então sai daí, moço!

— Dona, grosseirão é a sua... Deixa prá lá, com licença.

— Motorista, eu estou morrendo de calor, esse ônibus sai ou não sai? E liga o ar!

— Só ao meio-dia, dona, aí eu ligo, já falei.

— Puxa mãe, está frio, as pessoas estão de casaco, não vai nem precisar de ar-condicionado…

— Cala a boca, coisa inútil. É uma questão de direito: eu paguei e exijo usar. E vai logo ver se tem banheiro mesmo nesta porcaria.

— Mas mãe…

— Vai lá, não discute.

— Dona, tem banheiro sim, mas ainda dá tempo da senhora usar o da rodoviária.

— Não pedi sua opinião!

— Eita!

— Por que será que aquela inútil da minha filha está demorando?

— Mãe, tem banheiro sim. E acabei de me lembrar de que não comi nada. Será que dá tempo para almoçar ali no barzinho?

— Senta aí, sua desnaturada. Para de falar besteira. Se eu sair daqui vem outro grosseirão rouba o lugar ou a minha mala. Fica quieta. E você está muito gorda para ficar comendo toda hora. Motorista, olha a hora. E vê se liga essa droga do ar-condicionado logo que eu não aguento mais de calor!

A viagem prometia...

*****

A festinha infantil seguia animada e alegre no salão de festas do prédio de um casal amigo. A criançada assanhadíssima corria para cá e para lá e, quando um deles arranjou uma bola de futebol, a coisa ficou meio caótica. A dona da casa, querendo salvar o que ainda restava de suas mesas decoradas com o tema da festinha, implorava para que um dos pais tomasse qualquer providência.

De repente, alguém desvia a bola em nossa direção. Para nosso espanto o Rui, um modelo de elegância, discrição e sobriedade, faz o improvável, dá um bicão de direita e sai gritando: Goooollllll!!!!! Gooolllllll! MEU SAPATO! Alguém pega o meu sapato!

Isso mesmo, seu impecável mocassim de couro, caro pra burro, decolou do playground e aterrissou aos trambolhões no telhado da casa ao lado.

Meus queridos, um gol de placa! Já o Rui... Bom, os moradores da casa só voltariam no dia seguinte. Pular o muro e subir no telhado estava fora de cogitação, vai que algum vizinho chama a polícia… O remédio era torcer para não chover e que nenhum gato gostasse de morder mocassim. Alguém gentilmente cedeu um par de havaianas e o aniversário seguiu sem maiores problemas. Uma sapatada para não ser esquecida.

* carlosemersonjr@gmail.com

TAGS: