Casal de professores cria série de passatempos para ensinar história

Livro de jogos é dividido em três volumes e pode ser adquirido pela internet
sábado, 18 de março de 2017
por Karine Knust
Rafael Bastos e Mariana de Souza iniciaram o projeto há 10 anos (Foto: Henrique Pinheiro)
Rafael Bastos e Mariana de Souza iniciaram o projeto há 10 anos (Foto: Henrique Pinheiro)

Toda criança aprende na escola que os humanos são descendentes de uma espécie de primata. Ainda no colégio, também passamos a saber que duas grandes guerras dividiram o planeta; que capitalismo e socialismo ficaram em evidência na Guerra Fria; que o Renascimento foi importante para a cultura e a filosofia; que a história também passou por momentos importantes no que diz respeito a religião, com a Inquisição e a Reforma Protestante. Toda a história da humanidade é compilada em pequenas doses semanais de aula para que os estudantes possam saber de onde viemos, qual o motivo do presente ser como é e como o futuro se mostra. Se reunir todas esses fatos não é tarefa simples, imagina, então, prender a atenção dos alunos ao passar tantos detalhes que se entrelaçam.

Rafael Coelho Bastos, de 33 anos, e Mariana Cardoso de Souza, de 32, se conheceram na faculdade. Depois da amizade, veio o namoro e o casamento. E os dois não se desgrudaram mais. Se formaram em História e começaram a lecionar em 2007. Atualmente, ambos trabalham com turmas de Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos, em instituições públicas de Nova Friburgo e região. Além do amor de um pelo outro e pelo trabalho, Rafael e Mariana ainda dividem o mesmo estilo profissional: a inquietante vontade de transformar a sala de aula em um lugar dinâmico e prazeroso para o aluno.

Para isso, há dez anos, os dois desenvolvem um método diferente de ensinar história. Transformaram o conteúdo textual em instigantes passatempos. São problemas de lógica, caça-palavras, criptogramas, dominox e textos de encaixe que estimulam o raciocínio e tornam o aprendizado mais dinâmico e, por que não, divertido. A fórmula deu tão certo que os passatempos saíram das quatro paredes da escola e se transformaram em livro: Jogos de História I, II e III.

Metodologia

Rafael e Mariana nunca conseguiram se identificar com formatos tradicionais de ensino que se limitam ao quadro e a leitura de textos. Por isso, logo que começaram a lecionar, resolveram desenvolver formas dinâmicas de passar o conteúdo. “Nunca gostamos de metodologias tradicionais, desde que éramos alunos, e isso nos motivou. A formulação de passatempos começou há 10 anos, com coisas mais simples, como palavras cruzadas. Os alunos têm um texto base no qual é disponibilizado todo o conteúdo da matéria e os jogos funcionam como resumos. Na verdade, estes passatempos são os resumos tradicionais transformados em jogos ”, explica Mariana.  

Lançados pela editora Clube de Autores, em novembro de 2016, o livro de jogos de história de Rafael e Mariana é dividido em períodos históricos e têm três volumes: Idade Antiga e Idade Medieval (volume 1), Idade Moderna (volume 2) e Idade Contemporânea (volume 3). “A ideia de transformá-los em publicação veio de alguns conhecidos nossos que sabiam do trabalho que fazíamos em sala de aula. Começamos a amadurecer a ideia há uns quatro anos, compilamos tudo o que já tínhamos e, no ano passado, o projeto finalmente nasceu”, conta Rafael.

E a ideia tem feito sucesso. O casal conta que, desde o lançamento online, dezenas de cópias já foram vendidas. “Todo dia, praticamente, temos recebido encomendas. Já tivemos livros vendidos para Manaus e Chapecó, Santa Catarina. O legal da venda pela internet é exatamente o de alcançar mais pessoas. O livro de jogos é um recurso para o professor, mas também é destinado aos amantes de história e de passatempos”, diz Mariana.  

Engajamento e resultados

Nascidos em um mundo cada vez mais tecnológico e altamente conectado, muitos alunos desta geração se sentem desmotivados na hora de utilizar métodos tradicionais de aprendizagem - que envolvem apenas textos corridos em quadros brancos e leituras em voz alta pelos professores. “Nos deparamos com muitos alunos desinteressados, não só por história, mas pela escola de modo geral. Uma das maiores dificuldades do professor, atualmente, é fazer o aluno ler e se interessar”, afirma Mariana. 

“Percebemos a inquietação dos alunos quanto a rotina da sala de aula, a partir disso, começamos a buscar formas diferentes de fazer com que eles interagissem com a matéria, que buscassem fazer parte do processo. Quando começamos a implementar os passatempos essa realidade começou a mudar,  deu muito certo, percebemos que alunos que antes era dispersos começaram a se interessar pelo conteúdo e por aprender. Normalmente trabalhamos uma atividade ou duas por aula, mas, de repente, alguns desse alunos já chegavam em sala com as tarefas prontas”, conta ela. 

“Nosso objetivo maior é gerar o prazer por aprender. A gente não consegue impor conhecimento, é preciso querer aprender. Alguns dos passatempos são questões de lógica, ou seja, pura interpretação de texto. A pessoa não precisa ter o conhecimento prévio sobre história para fazer as atividades. A ideia é fazer com que ela goste de pensar, de se desafiar”, acrescenta Rafael. 

Além dos passatempos de história, o casal desenvolveu uma olimpíada com jogos multimídia e adaptados ao conteúdo do ano inteiro. O campeonato acontece desde 2011 nas turmas de ensino médio das escolas onde Rafael e Mariana lecionam. “Lutamos para que, assim como os passatempos, esse método também se transforme em uma ferramenta de aprendizagem em outras lugares. Temos uma mobilização de toda a escola e os resultados são muito positivos”, afirma o casal. 

Os livros de Jogos de História volumes 1, 2 e 3 podem ser adquiridos pelo site da editora www.clubedeautores.com.br. Mais informações também pelo site. 

  • (Foto: Henrique Pinheiro)

    (Foto: Henrique Pinheiro)

  • (Foto: Henrique Pinheiro)

    (Foto: Henrique Pinheiro)

TAGS: Educação