Barboza volta ao octógono neste sábado com cinturão do UFC na mira

Lutador de Nova Friburgo trabalhou forte desde o ano passado para o duelo deste sábado
sexta-feira, 10 de março de 2017
por Vinicius Gastin
Mãos para os céus, pensamento no cinturão: Barboza tem novo desafio rumo ao objetivo final (Foto: Divulgação)
Mãos para os céus, pensamento no cinturão: Barboza tem novo desafio rumo ao objetivo final (Foto: Divulgação)

Passo a passo, a caminhada até a possibilidade de brigar pelo cinturão do UFC na categoria dos leves parece cada vez mais próxima do fim. Há quem diga que o passo final pode ser dado neste sábado, 11, quando Edson Barboza sobe novamente ao octógono, desta vez para encarar Beneil Dariush, no UFC Fortaleza. Barboza possui 18 vitórias e quatro derrotas e vem de resultados positivos diante de Gilbert Melendez e Anthony Pettis, ambos por decisão unânime. Seu último revés foi em dezembro de 2015, quando acabou finalizado por Tony Ferguson. 

O brasileiro, especialista em muay thai, é o quinto colocado da categoria. Em entrevista recente ao A VOZ DA SERRA, Edson afirmou que considera este o melhor momento da carreira. “Nunca me senti tão bem fisicamente e tecnicamente. Foi um ano muito abençoado, pois não tive nenhum tipo de lesão e pude treinar muito duro. Posso dizer que nunca estive tão perto, e já posso sentir uma de minhas mãos no cinturão. Fiquei, ao mesmo tempo, triste e feliz por não ter lutado no final de ano. Mas acredito que Deus faz tudo certo e na hora certa. Acredito que o UFC segurou um pouco porque quer me dar uma luta boa agora. Se eu vencer, tenho certeza que o próximo combate vai ser pelo cinturão.”

Adversário do friburguense, Dariush possui 14 triunfos e dois reveses e também bateu seus dois últimos oponentes: Rashid Magomedov, por decisão unânime, e James Vick, nocauteando. A última vez que foi superado foi contra Mike Chiesa, em abril deste ano. O iraniano é o número 9 da divisão. Além do duelo que envolve o friburguense, outra luta bastante aguardada está confirmada para o evento: o brasileiro Vitor Belfort encara Kelvin Gastelum, na provável luta principal pela categoria peso.

O momento de Barboza

Barboza iniciou 2016 com uma nova estratégia: treinar e morar no mesmo lugar, New Jersey. Segundo ele, a escolha fez total diferença no rendimento durante as lutas. “Fiz algumas mudanças, e uma delas foi essa. Eu fazia o camp (período de treinos) em um estado e morava em outro. Eu conversei com minha esposa e treinadores, e todos nós sabíamos que eu poderia chegar mais longe na carreira. Então, toda a minha família foi morar comigo na mesma cidade em que eu fiz o meu camp.”

Outra mudança destacada pelo lutador é a intensificação dos treinamentos de defesa. A equipe de treinadores foi mantida, inclusive com a participação do friburguense Anderson França, mas a parte defensiva recebeu atenção especial. “Esse foi um dos principais focos dos meus treinos. A defesa do MMA é diferente da do muay thai, que eu estava mais acostumado. A luva, por exemplo, é bem menor. Eu sempre acabei minhas lutas bem machucado, o que não aconteceu nos duelos desse ano.”

Edson Barboza considera ainda outro reforço adquirido neste ano fundamental: a psicóloga Maria Letícia. As sessões, periódicas, de aproximadamente uma hora, acontecem via skype, e são intensificadas às vésperas dos combates.“Ela me ajudou muito, porque muita gente acha que a luta é só corporal. Mas a principal luta é psicológica. O trabalho com ela e a mudança para o mesmo local onde eu treino fizeram toda a diferença.”

TAGS: artes marciais