Barboza tira joelhada da cartola e vence Beneil Dariush

​Lutador friburguense mira disputa de cinturão e reencontro com Ferguson
terça-feira, 14 de março de 2017
por Vinicius Gastin
2- Luta contra o iraniano foi difícil, mas Barboza fez “mágica” ao tirar da cartola uma joelhada certeira
2- Luta contra o iraniano foi difícil, mas Barboza fez “mágica” ao tirar da cartola uma joelhada certeira

“Estou pronto para a disputa de cinturão. Estou ou não estou, Fortaleza?”, gritou Edson Barboza após a vitória do último final de semana. Está ou não está?, perguntam ao UFC os friburguenses, fãs brasileiros e amantes do MMA. Não restam dúvidas que sim. Competente e mágico. A ponto de tirar de sua cartola uma joelhada certeira, irresistível e poderosa no queixo do adversário. Ali se confirmava mais uma vitória marcante do atleta de Nova Friburgo no UFC, desta vez sobre o iraniano Beneil Dariush, nono colocado do ranking, que de fato dificultava a execução dos chutes, especialidade do friburguense.

O nocaute aos três minutos e 45 segundos do segundo round talvez tenha sido o grande destaque do evento no último sábado, 11, realizado no Centro de Formação Olímpica (CFO), em Fortaleza. Foi a terceira vitória seguida do brasileiro Edson Barboza, quinto colocado no ranking da categoria até a realização do combate. A vitória, ainda mais da maneira como aconteceu, deve render pelo menos uma posição e, quem sabe, a esperada oportunidade para lutar pelo cinturão.

“Tive dificuldade, mas no segundo round consegui encontrar a distância melhor. Eu sabia que ele viria com a cabeça baixa, foi algo que trabalhei muito no camp. Eu sabia que toda hora que ele jogava o jab, ele dava um passo pra frente. Eu não sabia se ele ia entrar na perna, mas eu sabia que a cabeça dele ia estar ali. Acho que estou perto do cinturão. Estou pronto para o cinturão. Estou nessa caminhada há muito tempo. Estou ou não estou, Fortaleza? Estou ou não estou?”, avaliou Barboza, levando os cearenses ao delírio com o questionamento ao final do discurso no octógono.

Mágica contra o equilíbrio

Até fazer história, Edson Barboza percorreu um árduo caminho. Nos treinos, na preparação e no octógono. Dariush foi verdadeiramente um bom teste antes do objetivo de buscar o cinturão, dificultando as ações e execução daquilo que o friburguense de melhor sabe fazer. Tanto que Barboza conseguiu acertar o adversário com as mãos, através de um cruzado de direita que logo marcou o rosto do iraniano. A estratégia do iraniano de andar para frente e pressioná-lo foi respondida por um chute alto de direita que entrou com força, só não conectando em cheio graças à guarda bem postada de Dariush. O adversário acerou combinações de golpes no corpo e na cabeça, além de bons chutes baixos e à meia altura. Dominou a segunda metade do assalto inicial, que encerrou com um bom soco rodado.

O segundo round teve início com um Barboza mais agressivo. No entanto, um chute na costela seguido de cruzado de esquerda assustaram o friburguense. Esperava-se que Dariush pudesse buscar o chão, e ele até tentou uma entrada de queda, sem sucesso. O iraniano, de fato, ia bem na trocação, bloqueando os espaços para o trabalho de pernas de Edson Barboza. Mas é exatamente na dificuldade que os atletas diferenciados brilham. Como um mágico, o friburguense abriu sua cartola, e de lá tirou uma joelhada certeira no queixo de Dariush, levando-o a nocaute aos três minutos e 45 segundos. As tentativas de avançar e buscar as pernas de Barboza pararam no talento do lutador de Nova Friburgo.

Barboza mira disputa de cinturão e reencontro com Ferguson

Há algum tempo Barboza persegue o cinturão dos leves do UFC. E a cada combate demonstra estar mais pronto para chegar ao topo da categoria. Depois de nocautear Beneil Dariush com a histórica joelhada voadora, Edson surpreendeu ao lembrar de um antigo adversário, e pedir por uma revanche contra Tony Ferguson. Na entrevista concedida para a imprensa, logo depois do combate, o friburguense afirma que deseja devolver a derrota sofrida para Ferguson, desta vez com mais tempo de preparação.

“Depois dessa vitória, eu quero ir mais longe. Estou muito feliz, eu amo o que eu faço. Eu luto com os melhores do mundo. E quero uma revanche com o Ferguson agora. Na última luta faltavam apenas quatro semanas e se o UFC me der essa oportunidade, serão cinco rounds de guerra. Pode ter certeza.”

Ainda sobre a luta com Dariush, Barboza reconheceu que não conseguiu encaixar estratégia no início da luta, mas afirma que estudou o movimentos do adversário para encaixar a joelhada e vencer o duelo. “Eu sei que eu não comecei bem essa luta. Demorou pra que eu encaixasse nessa luta. E o Dariush é muito técnico. Mas no segundo round eu comecei a encontrar o meu jogo. Já tinha notado que ele deixava a guarda mais aberta e calculei pra cabeça dele estar bem ali na hora da joelhada. Eu havia treinado isso na preparação. Eu já venho de tantas boas vitórias, cara. Tenho condições de lutar pelo título.”

Resultados UFC: Belfort x Gastelum

CARD PRINCIPAL

- Kelvin Gastelum venceu Vitor Belfort por nocaute técnico aos 3m52s do R1

- Maurício Shogun venceu Gian Villante por nocaute técnico aos 59s do R3

- Edson Barboza venceu Beneil Dariush por nocaute aos 3m35s do R2

- Ray Borg venceu Jussier Formiga por decisão unânime (triplo 29-28)

- Bethe Correia x Marion Reneau foi empate majoritário (29-27 Reneau, 28-28 e 28-28)

- Alex Cowboy venceu Tim Means por finalização aos 2m38s do R2

TAGS: artes marciais