Audiência no TRT não tem acordo e greve da educação em Friburgo continua

Prefeitura não reconhece representatividade do Sepe. Sindicato contesta e tem até 10 dias para apresentar defesa ao TRT
quarta-feira, 21 de agosto de 2019
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
Grevista bate panela em frente à prefeitura, na última segunda (Fotos: Fernando Moreira)
Grevista bate panela em frente à prefeitura, na última segunda (Fotos: Fernando Moreira)

Representantes da Prefeitura de Nova Friburgo e da direção do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe) ficaram frente a frente nesta terça-feira, 20, para uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), no Rio de Janeiro. O Executivo Municipal não reconheceu a representatividade do sindicato, portanto não houve acordo. Agora o sindicato tem até dez dias para apresentar sua defesa. Enquanto isso, a greve continua.

De acordo com a assessoria de imprensa do TRT, além de não reconhecer a representatividade do Sepe, a Prefeitura de Nova Friburgo também solicitou que o tribunal expedisse uma liminar estipulando um número mínimo de profissionais da educação trabalhando durante a greve por considerar que a educação é um serviço essencial. No entanto, o juiz que presidiu a audiência conciliatória não acatou o pedido e deixou a decisão para o relator do caso.

No último dia 15, o Sepe já havia publicado em sua página no Facebook um informe sobre a sua legitimidade junto à categoria e à justiça. Nele o Sepe garante que possui carta sindical com o registro oficial junto à Justiça do Trabalho, cita uma decisão recente da juíza do Trabalho Ana Teresinha de França Almeida, lembra que tem cadeira permanente no Conselho Municipal de Educação e que alguns membros e dirigentes da própria Secretaria Municipal de Educação são filiados ao Sepe.

O que dizem as partes

A VOZ DA SERRA entrou em contato com a direção do Sepe para saber quais serão os rumos da greve, no entanto, como a assembleia da categoria estava marcada para o início da noite desta terça-feira, o sindicato disse que só iria se manifestar após se reunir com a categoria. Portanto, até o fechamento desta edição, não tivemos uma posição dos grevistas.

Já a Prefeitura de Nova Friburgo se manifestou através de nota confirmando que não houve acordo na audiência realizada no TRT. Sobre o impacto da greve, disse que “somente duas unidades estão totalmente paralisadas, as demais se dividem entre funcionamento parcial ou total. Quase a totalidade de professores está trabalhando e vários servidores do apoio estão retornando às suas funções”.

Vigília permanente foi suspensa devido a audiência

Conforme noticiado por A VOZ DA SERRA na edição desta terça-feira, 20, os grevistas da educação iniciaram na segunda-feira uma vigília permanente na porta da prefeitura. Com barracas, panelas e apitos, eles montaram um acampamento para pressionar o prefeito a receber uma comissão da categoria para dar início às negociações e contestar o que a categoria chama de “descaso da prefeitura frente às necessidades dos servidores da rede pública de ensino”. No entanto, devido a audiência na tarde de ontem, a categoria decidiu encerrar a ocupação.

 

TAGS: Protesto | Greve | Educação