Após 4 meses, Friburgo volta a gerar empregos com carteira assinada

Em setembro, comércio, serviços e indústria começaram a abrir mais vagas devido às festas de fim de ano
quinta-feira, 25 de outubro de 2018
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
Após 4 meses, Friburgo volta a gerar empregos com carteira assinada

Depois de quatro meses fechando vagas com carteira assinada, Nova Friburgo voltou a contratar mais do que demitir em setembro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho (Caged), divulgado na última segunda-feira, 22, pelo Ministério do Trabalho. A cidade abriu 1.369 postos de trabalho e fechou 1.225, gerando saldo positivo de 144 vagas no mês passado.

O comércio, o setor de serviços e a indústria abriram 70, 76 e 42 oportunidades, respectivamente. O desempenho já era esperado tendo em vista que tradicionalmente esse três setores abrem vagas temporárias, no fim do ano, para as festas de Natal e do Ano-novo. A expectativa é de que mais postos de trabalho continuem sendo abertos até meados de novembro.

Baixas na construção civil e na administração pública

Por outro lado, a construção civil fechou 19 vagas em setembro. O pior resultado, contudo, foi da administração pública com 25 postos a menos. Esse número é reflexo das exonerações iniciadas pela Prefeitura de Nova Friburgo nos cargos em comissão, conforme prevê um acordo firmado pelo governo municipal com os Ministérios Públicos Federal e do Trabalho para reduzir a metade o número de funcionários.

O acordo assinado em agosto estabeleceu que até a última segunda-feira, 22, a prefeitura deveria ter exonerado 200 comissionados. Procurado por A VOZ DA SERRA, a prefeitura não confirmou se cumpriu o combinado. Em nota, disse que “entregou toda documentação aos MPs” e irá se manifestar somente após a análise e posicionamento das instituições. Os MPs informaram que estão analisando os documentos.

O saldo positivo de empregos formais em setembro, em Nova Friburgo, veio depois de quatro meses - maio (-126), junho (-248), julho (-22) e agosto (-120) - no negativo. No acumulado do ano, a cidade criou mais emprego do que demitiu. Foram 564 novas oportunidades até o mês passado. Esse número é melhor do que todo ano de 2017, quando foram acumulados 349 postos de trabalho.

A geração de empregos no estado e no país

Já o estado do Rio continuou apresentando melhora na geração de vagas em setembro. Foram abertas no Rio de Janeiro 7.944 postos de trabalho, sobretudo, no setor de serviços e no comércio. Houve 89.609 admissões contra 81.665 demissões. Em agosto, abriu 2.917, depois de três meses fechando vagas. No acumulado do ano, porém, o saldo é negativo (-811), informou o Ministério do Trabalho.  

Em todo o país, o Caged registrou o melhor resultado para setembro em cinco anos, com 137,3 mil carteiras de trabalho assinadas, resultado de 1.234.591 admissões e 1.097.255 desligamentos. A criação de vagas formais no Brasil, de janeiro a setembro, somam 719 mil vagas, um crescimento de 1,90%, em comparação com o mesmo período do ano anterior. O nível de emprego caiu apenas no setor da agropecuária, que demitiu 2.688 trabalhadores a mais do que contratou no mês passado. Isso decorre do início do período de entressafra.

 

TAGS: Emprego