Aos 17 anos, Kayque Xavier coleciona conquistas e se destaca no jiu-jitsu

Jovem acumula 25 conquistas nos últimos dois anos. Terceira colocação no Sul-Americano é uma das suas principais conquistas
quinta-feira, 02 de março de 2017
por Vinicius Gastin
Kayque posa com algumas de suas medalhas (Foto: Acervo pessoal)
Kayque posa com algumas de suas medalhas (Foto: Acervo pessoal)

No olhar e timidez de menino, um sonho gigante. O jovem Kayque Xavier é mais uma revelação recente do esporte de Nova Friburgo. Na verdade, uma realidade na soma de suas 25 conquistas nos últimos dois anos. Ano passado, por exemplo, se consagrou como um dos três melhores lutadores da América do Sul na categoria Juvenil 1 faixa Azul peso Pena (até 58,5kg), ao conquistar o bronze no Sul-Americano IBJJF. 

O jovem compete com e sem kimono, e garante que a luta sem o equipamento, para a qual treina às sextas-feiras dentro de sua rotina, ajuda a apurar a técnica. “Sem o kimono a gente usa camisa de lycra e kimono, e não tem a possibilidade da pegada. A gente usa mesmo o corpo, e isso melhora a técnica para a luta com o kimono. Tem bastante diferença, e quando chega perto de um campeonato eu marco com algum amigo para treinar um pouco mais.”

As melhores conquistas recentes foram as três medalhas no Belo Horizonte International Cup, realizado no ginásio Mineirinho. O jovem foi terceiro colocado na categoria juvenil pluma, até 58,5 kg, vice-campeão na categoria até 56,5 sem kimono e na absoluto sem kimono (onde a pesagem é liberada). “Fiz muitas lutas difíceis, contra adversários de muita qualidade. O resultado foi ótimo”, avalia. 

Estes foram apenas alguns dentre tantos outros resultados de expressão. Além da terceira colocação no Sulamericano IBJJF, Kayque Xavier também foi campeão Sul Fluminense FJJ-RIO, campeão Carlson Gracie No-Gi FJJ-RIO, campeão Mundial CBJJO, campeão Mundial No-Gi CBJJO, campeão Brasileiro CBJJO, campeão World Cup CBJJO, campeão World Cup No-Gi CBJJO, campeão Sul Americano CBJJO e campeão Super Liga LGD. Apenas para citar as principais.

Kayque sonha alto, e apesar de pensar em construir a vida e a carreira em Nova Friburgo, pretende participar do Mundial na Califórnia, nos EUA, ainda deste ano. Para tanto, basta conseguir o valor necessário para custear a própria viagem e a dos responsáveis, pelo fato de ainda ser menor de idade. “Pretendo ficar aqui em Nova Friburgo mesmo. Para estudar e treinar é mais fácil, até pela falta de patrocínios. Atualmente eu só conto com a Comercial Têxtil. Estou me preparando, mas estou precisando de mais patrocínios. As competições da Federação Internacional geralmente são realizadas fora do Estado.”

Antes, Kayque pretende participar de uma competição em Florianópolis, o Floripa Open. “Dependo de recursos, e quem quiser me ajudar pode entrar em contato pelo telefone 99219-6623 ou pelo e-mail kayqueexavier@gmail.com. Qualquer ajuda é bem-vinda, como suplementação, por exemplo, mas preciso mesmo é de recursos financeiros para custear as viagens.”

Esforço e conquistas

Com apenas 17 anos de idade, cursa o 3º ano do ensino médio. Estuda pela manhã, descansa à tarde e treina à noite – duas vezes em alguns dias. Há semanas em que estende os treinamentos até o sábado, sempre com o Mestre Denver Amaral. Uma rotina que se repete de segunda a sexta-feira, e reflete em cada gota de suor o sonho de quem planeja conquistar os objetivos no jiu-jitsu e cursar a faculdade de nutrição.

O prazer em estudar o alimento, suas composições e demais assuntos relacionados ao tema pode ter relação com a própria história de vida. Kayque já praticava o jiu-jitsu quando resolveu que era o momento de perder peso. Com a devida determinação, emagreceu 20kg para poder lutar na própria categoria, apenas com dieta e treinamentos. “Com 12 anos eu pesava 76 kg. Eu queria lutar na categoria certa, competir, e isso me incentivou a emagrecer. Treinava todos os dias e fazia a dieta de forma correta. Hoje estou com 17 anos, e peso 56. Não é fácil, mas deu certo”, conta.

Kayque começou a lutar de fato em 2015, e logo nas primeiras competições o talento do atleta sobressaiu. Foram seis competições e sei medalhas conquistadas. O aproveitamento de 100% o fez investir ainda mais na ideia, e apenas no ano passado ele conquistou nada menos que 19 medalhas em competições de jiu-jitsu, sendo 12 delas de ouro. Com um detalhe importante: o friburguense passou a disputar também os campeonatos da IBJJF (International Brazilian Jiu-Jitsu Federation). “É a maior federação da modalidade. Este ano estou focado nos treinamentos para participar dos campeonatos promovidos por eles.”

Humilde e sonhador, Kayque Xavier pretende mesmo fazer sucesso no jiu-jitsu, e pelo menos por enquanto descarta se arriscar no badalado mundo do MMA. “Não gosto muito. Prefiro mesmo continuar no jiu-jitsu”, finaliza, escondendo em sua timidez de menino o sonho de subir cada vez mais degraus no mundo do esporte.

TAGS: artes marciais